Pesquisar este blog

quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

LANÇAMENTO DO LIVRO TERRA TATAGUAÇÚ

DISCURSO DE QUIEL

Durante toda a preparação para esse momento eu fiz vários discursos, rasguei todos e achei que tinha que falar de improviso, por que essa seria a melhor forma de comunicação entre nó, para essa noite.  Porém, na ultima hora mudei a estratégia, temendo que uma condição emocional qualquer tolhesse meus pensamentos. Então resolvi anotar alguns tópicos e sobre eles discorrerei aqui.
Eu podia falar da falta de apoio e das incompreensões, mas tudo isso já se acha no passado, está superado, e a partir de agora é bola pra frente, é vida que segue. Foram muitos anos de estudos e de aprendizados diversos. E ao chegar nesse ponto, depois de todas as pesquisas realizadas, fico com uma conclusão, que é preciso mais apoio para as pesquisas e para a cultura em Queimadas. Fazer cultura, fazer história, é trabalhoso, é penoso e não traz retorno financeiro, por isso estou convencido que só quem pode bancar essa atividade no município é o poder público, que não tem fins lucrativos.
Vivemos numa cidade em que pouco se atenção a sua memória e são muitos os relatos de pessoas de fora, que ao chegar a Queimadas, para exercer qualquer atividade, se depara com um problema: a falta de informações sobre o município, principalmente no que diz respeito a sua história, resumida a um único livro, “Queimadas, seu povo, sua terra”, do amigo Antônio Carlos. E foi por esse pressuposto que resolvi fazer esse trabalho. Não para preencher uma lacuna, mas principalmente para dividir com as pessoas parte do conhecimento que adquiri sobre a minha cidade, ao longo de vários anos de pesquisas, pesquisas que foram feitas de forma despreocupadas e sem compromissos, o que foi muito bom para a obra, diga-se de passagem.
Primeiro de tudo eu quero agradecer cada um de vocês que aqui se faz presente. Agradecer a todos os meus familiares; agradecer aos meus amigos que aqui se encontram; agradecer aos colegas de trabalho; agradecer a alunos e ex-alunos, que também são meus amigos; agradecer a pessoas amigas, de outras cidades; como também agradecer aos amigos da imprensa, aos colegas blogueiros e de sites, aos radialistas, aos jornalistas que aqui se encontram, eu confesso que estou feliz.
Eu poderia dizer que hoje é um dos dias mais felizes de minha vida. Não só pela realização de um sonho que era publicação desse trabalho, mas é basicamente por ver a presença de tanta gente boa, tanta gente amiga, tanta gente querida, nesse salão. Isso além de aumentar nossa responsabilidade, nos dá uma força muito grande.
Eu queria pedir licença a vocês para falar das ausências. Ausências de pessoas que foram muito importantes ao longo da minha vida, que hoje não se encontram presentes aqui, eles que foram tiradas de nosso convívio pelo Criador. Pessoas que com certeza, se vivas fossem eram presenças garantidas nesse momento e tinham cadeiras cativas nesse auditório.
Eu falo do amigo professor Miguel Guedes, cidadão que no momento que mais precisei, chegou junto. Atendeu a uma necessidade urgente nossa.
Eu falo do amigo Antônio Olímpio que tantas informações nos passou. Lembro-me de sua boa vontade em passar seus conhecimentos para quem se interessasse. Ele que infelizmente se foi, sem deixar uma obra escrita e Queimadas perdeu muito, dado a bagagem de conhecimento que ele tinha.
Falo do ex-prefeito Saulo Ernesto, que foi quem deu a minha primeira oportunidade de atuar num cargo público em Queimadas, quando dele fui Secretário de Cultura do Município.
Falo do amigo Zé Miranda, aquele que me deu a primeira oportunidade de está em sala de aula, de ser um professor.
Falo do meu sobrinho Junior, filho de Sérgio e de Glória, que tão jovem nos deixou, marcando-nos fortemente.
Falo de minha mãe, dona Socorro, que se foi cheia de sonhos e que, se viva estivesse, hoje, seria uma presença marcante cuidando de cada ponto desse evento - dado que, a vitória dos seus filhos era a vitória dela.
Saindo desse momento emocional, sigo relatando o que vocês vão achar no nosso trabalho.
A narrativa deste livro se baseia em contar a história de Queimadas por apontamentos, fazendo basicamente um apanhado cronológico do que se passou nessa terra, ao longo dos seus mais de 300 anos de história. Apontando fatos que um dia mereceram destaque e que, de alguma forma, foram registrados. O que fizemos foi, descobrir essas  anotações em fontes diversas, compila-las, juntá-las cronologicamente e transformá-las em livro. Dai o nome: “RETALHOS DA HISTÓRIA DE QUEIMADAS”.
Sua datação começa em 1650, quando nasceu Pascácio de Oliveira Ledo, bandeirante baiano e primeiro dono das terras onde está plantada a cidade de Queimadas. E termina em 2013, com a morte do Monsenhor padre Antônio Lisboa.
O livro se divide em quatro (04) partes:
Na primeira, o texto traz as notas introdutórias sobre a cidade, que é de praxe e segue falando da origem do Município, aponta as primeiras fazendas da região e chama a atenção para a colonização dessa terra, dando destaque a um núcleo familiar formado na fazenda Capivara e que de lá se irradiou por toda Queimadas.
Fala da fundação do povoado a partir de alguns elementos como um surto de cólera de 1956 e 1962, do início da plantação de algodão na região e da seca de 1877. Segue mostrando como o lugar cresceu, como as ruas apareceram e como nasceram nossos bairros. Traz também um quadro ilustrativo que mostra a evolução de nossa população desde 1940.
Finaliza com a origem dos nomes Queimadas e Tataguaçú, dizendo o porquê de cada um desses topônimos e ilustra com outro quadro, onde se ver as várias cidades da Paraíba, que a exemplo de Queimadas, tiveram seus nomes mudados ao longo da história.
Por aí já bastava.Na sequência.
Na 2ª parte do livro, vêm as “Datas Queimadenses” onde são quase 150 páginas de anotações por tópicos cronológicos. Esse é o corpo do trabalho, o livro propriamente dito.
Aqui foram muitas as descobertas, vindas à tona muitas situações desconhecidas. Foram feitos vários esclarecimentos, levantadas hipóteses, mostrada algumas novidades e derrubado alguns conceitos consolidados, que como aquele que dizia que todas as terras que formam o município de Queimadas foram de Pascácio de Oliveira Ledo.
Mostramos a colonização de Queimadas a partir da Capivara, como já foi dito, e quem foi nosso primeiro político. Quais os crimes de morte entraram para nossa história (motivo para alimentar no imaginário a fama de Queimadas como uma cidade violenta).
Mostramos também a participação de Queimadas no levante de Quebra-quilos, o algodão nas fazendas e a água nos cacimbões no pé da, como elementos propulsores de nossa formação. A construção da igreja Matriz e seu patrimônio inicial e um fato que julgamos importante: a criação do Distrito Policial de Queimadas em agosto de 1989, cujo os limites estabelecidos a época, serviram de base para delimitar o perímetro territorial do município na atualidade. Soma-se a isso todas as anotações de quem eram as pessoas de destaque na sociedade local nos idos dos anos 1800.
No livro também estão algumas notas, achadas e velhos jornais, que não são tão históricas assim, mas curiosas, que nos leva a imaginar e até entender o comportamento da sociedade local nos tempos de nossos antepassados.
No século 20 podemos anotar quase tudo que houve de importante por aqui, como a relações do povo local como o cangaceiro Antônio Silvino, a elevação do povoado em Distrito de Paz e depois Vila, até sua emancipação política. A construção do cemitério da Rua Nova, a elevação da Capela em Paróquia, a identificação de nomes importante da cidade em vários segmentos, traçando uma pequena biografia de cada um, e apontando nossas personagens que ganharam destaque além da Terra Tataguaçú, a exemplo de Antônio Barros - grande compositor, José Lopes de Andrade – politico e sociólogo, e Anastácio Honório Maia – que construiu os açudes de Boqueirão/PB e de Orós/CE Nomes, que aliás, são desconhecidos para a maioria dos queimadenses. Além desses citamos nomes da política como Dulce Barbosa e Carlos Ernesto.
Dos anos 50 para cá a cidade se destacou na educação, quando foram criadas as primeiras escolas rurais. Também houve a consolidação da paróquia e a força dos nomes de seus padres; a formação dos primeiros times de futebol amador e os primeiros campos; as primeiras eleições, com seus prefeitos eleitos, os vice-prefeitos e todos os vereadores.
Falamos também de suas festas, da chegada do asfalto e da BR-104, além da migração de parte da população rural para a “Rua”.
Chegamos em nossa terceira parte, onde compilamos do livro “Apontamentos Para a História Territorial da Paraíba” de João Lyra Tavares, todas as sesmarias distribuídas nas terras que hoje forma Queimadas, um total de doze (12), a primeira de 1712 – de Pascácio de O. Ledo – até a última terra devoluta de nossa cidade, doada em 1805 a Fco. Do Rego Barros, na região da Boa Vista, divisa com Barra de Santana.
Segue com a quarta (4ª) parte do livro onde estão anotados vários nomes de verdadeiros pioneiros da cidade, como os eleitores de 1903 – quando a região pertencia a Fagundes e era dividida em quarteirões; a lista dos proprietários rurais do município em 1920, citando um por um; os compradores e descaroçadores de algodão local em 1916 e 1930; Todos os alunos da primeira escola registrada da cidade em 1924; os primeiros alunos da escola José Tavares, em 1937; as primeiras professoras e professores rurais nos anos 1950 bem como as primeiras escolas dos sítios; a criação do Ernestão e quem foram seus primeiros alunos e professores; a anotações dos nomes de todos os prefeitos, vices e vereadores que a cidade já teve. E finalizo com um texto do jornalista Paulo “Seixas” Albino, sobre o lendário João de Carminho.
Mas ficamos na certeza que nem tudo foi dito, porque ainda há muita coisa a ser descoberta, como também muitos episódios passado em nossa Queimadas, que aqui não foram ditos, como também muitos personagens de nossa sociedade, ficaram de fora, não propositadamente (eu queria fazer um trabalho completo, sem falhas – o que se mostrou impossível ao longo das pesquisas), mas por falta de recurso técnicos, por não ser versado na área.
E assim chego ao fim dizendo que já começamos a trabalhar na segunda edição desse projeto, tendo como finalidade corrigir erros e as falhas desse material, que ora dou publicidade.
Não tenho uma palavra bonita para agradecer a cada um de vocês que tiveram por mim a consideração de aqui está e que adquiriam ou vão adquirir nosso trabalho.
Portanto ficamos com aquele tradicional MUITO OBRIGADO.
MUITO OBRIGADO MESMO!


6 comentários:

  1. Parabéns meu amigo.

    Antônio gomes, RJ

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pela obra e siga firme, mostrando a nossa história e a nossa cultura.

    ResponderExcluir
  3. onde é possível encontrar esse livro?

    ResponderExcluir
  4. onde é possível encontrar esse livro?

    ResponderExcluir
  5. Pequeno grande livro. Pequeno em dimensões físicas e grande no seu teor, no seu conteúdo. muito interessante e de leitura agradável devido a escrita simples e de fácil entendimento.

    ResponderExcluir
  6. Bom dia!
    Gostaria de ter acesso ao material, onde está disponível.

    ResponderExcluir